INFORMAÇÕES

NOTÍCIAS DO SUL DO PARÁ, TOCANTINS, MATO GROSSO E MARANHÃO

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Especiais de Redenção fundam Associação

Redenção acaba de fundar a primeira Associação de Portadores de Necessidades Especiais da região sul do Pará. A iniciativa de criar a Acesse, nome da Associação, partiu de portadores de necessidades especiais do município, que unidos pretendem lutar por seus direitos, garantidos na legislação estadual e federal brasileira.
Dentre os vários projetos da Associação que visam melhorar a qualidade de vida do portador, podemos destacar a criação de um Centro de Reabilitação. No local os associados poderão receber acompanhamento de profissionais para uma reabilitação física e psicológica; apoio e instrução para os familiares; e capacitação profissional.
O Presidente da Associação, Wesley Borges, que é portador de uma doença congênita que o impossibilita de andar há 16 anos, explica que um dos maiores motivos para os portadores de necessidades especiais não se inserirem no mercado de trabalho é a falta de capacitação. “Apesar da lei nº 8.213 de 1991, garantir que empresas com até 100 funcionários contratem 2% de trabalhadores com necessidades especiais, e as empresas com mais de 100 funcionários, 5%; se o portador não tiver qualificação profissional, ela não tem a obrigação de contratá-lo”, conclui Wesley.
Em Redenção não se tem hoje uma estatística de quantos portadores de necessidades especiais há no município, e quais são elas. Saber esse número é importante para que se possa desenvolver projetos que beneficiem o maior número de pessoas. Por isso, a Acesse está convocando a todos os portadores de necessidades especiais de Redenção para preencher um cadastro na sede da Associação. O cadastro não significa filiação a Acesse, é apenas uma pesquisa para se ter uma estatística real do número de portadores de necessidades especiais do município. Porém, Wesley ressalta o quanto é importante para portador participar de uma associação como essa. “Logo que parei de andar passei por um momento muito difícil, tinha vergonha de sair de casa. Foi então que conheci a Associação de Paraplégicos de Uberlândia (APARU), cidade onde morava na época. Lá vi que apesar das minhas limitações eu não sou uma pessoa anormal, e pude desenvolver muitas habilidades esportivas”, comenta Wesley que foi tricampeão brasileiro de natação e vice-campeão brasileiro de atletismo.
A sede da Acesse funciona provisoriamente na casa de um associado na Av. Delis Vilas Boas, n 351, Serrinha. Contatos no telefone: 9194-2663 (Jackson Ribeiro).(Texto: Rejianne Alves)