INFORMAÇÕES

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Grávida é a sétima vítima da gripe suína no Pará

Érica Cleice Monteiro Bittencourt, 22 anos, no oitavo mês de gestação, morreu no último dia 16, após doze dias em coma na Santa Casa de Misericórdia do Pará. Ela é a segunda grávida a morrer, vítima da doença. O corpo da dona-de-casa foi enterrado ainda na sexta-feira.
Embora, segundo a mãe de Érica, Benedita Correia de Carvalho, 66 anos, a Secretaria de Estado de Saúde (Sespa) ainda não tenha liberado o exame de confirmação da doença à família, de acordo com assessoria de comunicação da Sespa, já foi confirmado que a jovem morreu em decorrência das complicações da nova gripe.
A reportagem tentou contato com o Instituto Evandro Chagas, mas não obteve sucesso. Érica morava em Barcarena com o marido, Samuel Gomes, 32, e o filho de três anos. Por causa das viagens de Samuel, no final do setembro ela decidiu ficar na casa da mãe, em Santa Bárbara. “Ela já veio com febre pra cá e nós a levamos para a Unidade de Saúde daqui, mesmo. Depois a febre foi piorando e ela foi transferida para a Maternidade do Povo, em Benevides. Lá ela ficou do dia 30 até o dia 3 de outubro. Falavam que era uma virose, que era normal”, conta Benedita, alegando que em cada atendimento os médicos diziam que sua filha poderia estar com diferentes tipos de doença. Nenhum solicitou exames para confirmação da nova gripe.
Depois da intervenção do marido, Érica foi transferida para Belém, para a Santa Casa. No dia 4 fizeram o parto e, depois disso, a dona-de-casa entrou em coma. A criança teve alta e já está com o pai. Na casa da família, na comunidade Paraíso, em Santa Bárbara, o sentimento era de indignação com o tratamento nos postos de saúde e hospitais. “Não tenho condições de me conformar. Tem que ser declarado o quanto a gente sofre. Estamos desesperados”, disse Benedita. (Diário do Pará)