INFORMAÇÕES

NOTÍCIAS DO SUL DO PARÁ, TOCANTINS, MATO GROSSO E MARANHÃO

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Ex-governador Almir Gabriel deixa o PSDB


O dia de festa dos tucanos terminou com o gosto amargo da ressaca. De Bertioga, onde se autoexilou desde a derrota tucana para os petistas em 2006, o ex-governador Almir Gabriel anunciou sua desfiliação do PSDB, partido que ajudou a fundar há 21 anos.
Almir Gabriel, explica que tomou a decisão “em razão dos atuais desvios dos princípios políticos e éticos que alicerçavam” o PSDB do Pará. Também lamentou a escolha de Simão Jatene como pré-candidato ao governo, segundo ele, “fundada na tola e odiosa discriminação aos idosos”. Aos 77 anos, Gabriel afirmou na última entrevista que concedeu que estava pronto para governar mais uma vez o Pará.
A saída de Almir Gabriel do PSDB representa o fim de uma era dentro do partido e é o saldo de uma queda-de-braço com o ex-amigo e pupilo Simão Jatene. Em 2002, Almir com a teimosia com que ficou conhecido, enfrentou aliados e tucanos de todas as plumagens para fazer do então secretário de Produção, Simão Jatene, o governador do Pará.
Gabriel foi o candidato e acabou derrotado por Ana Júlia Carepa. Mudou-se para Bertioga e só voltou ao noticiário político no início deste ano, lutando para fazer de Mário Couto o candidato ao governo contra Simão Jatene, de quem o ex-governador se tornou desafeto. Almir Gabriel culpava o ex-pupilo pela derrota em 2006 a quem acusava de ter feito “corpo mole” durante a campanha.

A escolha de Jatene como o candidato não teria deixado a ele outra opção senão deixar o partido. Um dos fundadores do PSDB nacional, o médico Almir Gabriel foi prefeito de Belém, senador da República e candidato à vice-presidência na chapa de Mário Covas em 1989. Governou o Pará por dois mandatos entre 1994 e 2002.
O presidente do PSDB do Pará, senador Fernando Flexa Ribeiro, admitiu que Gabriel já acenava com a decisão de deixar o partido, mas afirmou que ainda havia esperanças de demovê-lo da ideia, tarefa que foi dividida entre as lideranças paraenses e nacionais do PSDB. “O que nos surpreende é o fato de ele ter antecipado a decisão”, afirmou Flexa Ribeiro, dizendo não ver razões para o ex-governador deixar a legenda, já que todos só seguiram as lições que aprenderam com ele.