INFORMAÇÕES

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Hemopa de Redenção pede sangue: “Tipo”, o Seu!


Qualquer tipo de sangue será bem vindo ao Hemopa de Redenção. O estoque está zerado. Apesar das constantes campanhas conclamando a população para que doe sangue, o Hemocentro Regional de Redenção (Hemopa) continua com estoque de sangue insuficiente para atender a demanda regional. O Hemopa atende duas unidades transfusionais além de Redenção. Em conceição do Araguaia e Santana do Araguaia.
O hemocentro recebe uma média de seis doadores por dia, quando o ideal seria, no mínimo, 15 doações diárias. Para se ter uma dimensão do problema, o sangue tipo O Negativo, um dois mais procurados, não possui nem uma bolsa em estoque. Para atender a procura seria necessário manter, diariamente, 20 bolsas dessa tipagem sanguínea estocadas. O estoque de sangue dos tipos O e A, que deveriam ter disponíveis 52 bolsas cada, também está zerado no Hemopa.
“O número reduzido de doações praticamente zerou o estoque do banco de sangue do hemocentro. Nossas campanhas chamando a atenção para a importância de doar sangue não estão sensibilizando os doadores como deveriam”, lamenta Danielle de Moraes Alves, gerente do hemonúcleo de Redenção.
Com o tema “Quem Doa Sangue, Tem Amor no Coração”, o Hermopa está realizando a primeira ação estratégica deste ano, referente ao período de Carnaval, com o objetivo de reforçar o estoque técnico para o atendimento da demanda transfusional da unidade. A campanha será realizada do dia 3 ao dia 10 de fevereiro com a coleta de sangue das 7h00 às 13h00. Os doadores estarão recebendo durante a doação de sangue, camisetas, material educativo, preservativos e lanche especial.
Segundo Danielle de Moraes Alves, o carnaval é um período em que aumenta a procura de sangue, portanto, se faz necessária a sensibilização dos doadores para atender a demanda. “A maior procura de sangue é pelo Hospital Regional Público do Araguaia que neste período de carnaval atende pacientes vitimados por acidentes e outras ocorrências. Por isso, devemos estar equipados para as emergências”, ressalta. (Colaboração: João Lopes)