INFORMAÇÕES

NOTÍCIAS DO SUL DO PARÁ, TOCANTINS, MATO GROSSO E MARANHÃO

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Apreendida arma usada na morte de Pedro Alcântara


Uma pistola calibre 765 apreendida pela Polícia Civil em Redenção, sul do Pará, é a arma usada na morte do sindicalista Pedro Alcântara de Souza, presidente da Fetraf (Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar). O laudo pericial realizado pelo Centro de Perícias Científicas Renato Chaves com o resultado positivo foi divulgado na terça-feira (13).
A arma foi encontrada com Romério Roberto de Araújo, conhecido por “Romero”, que está preso e já está indiciado por envolvimento no crime. Uma moto, também apreendida com o preso, foi a mesma usada no crime. Além disso, a Polícia Civil solicitou à Justiça a prisão preventiva de Joacy Barros Rocha, conhecido por “Joacy do Pitdog”, que também estaria envolvido no crime.
De acordo com as investigações presididas pelos delegados Alberto Teixeira e Samelson Igaki, do Grupo de Combate ao Crime Organizado (GCCO), e Luís Galrão, da Delegacia de Conflitos Agrários de Redenção, Joacy fundou uma associação de trabalhadores para concorrer com o grupo comandado por Alcântara na liderança do assentamento da fazenda Cristalino, localizada na região. “Joacy tem ligações com o grupo de Romério”, disse o delegado Alberto Teixeira.
Na quarta-feira (14), Romério e seu bando foram ouvidos na Delegacia de Conflitos Agrários (Deca), em Redenção e negaram envolvimento na morte do sindicalista. Segundo o delegado Samuelson Igaki, provavelmente Romério será indiciado pela morte de Pedro Alcântara, já que ele é proprietário da arma do crime.
Além de Romério, integrantes da quadrilha comandada por ele estão presos, a saber: Adriano Rodrigues Barros; Emanuel Florenso da Silva; Wislei Faustino Oliveira; Robson Roberto de Araújo; Márcio Alves da Silva e José Manoel Tavares da Silva. Na ocasião das prisões, drogas, munições e até um fuzil foram apreendidos com os acusados.
Ao todo, 17 pessoas foram presas, entre elas oito supostos integrantes de quadrilha liderada por “Klésio”, que está foragido. (Colaboração: Paulo Carrion)