INFORMAÇÕES

NOTÍCIAS DO SUL DO PARÁ, TOCANTINS, MATO GROSSO E MARANHÃO

domingo, 20 de janeiro de 2013

Redenção: Polícia Civil prende sequestrador e liberta reféns


Matéria atualizada

Wallas só queria a amada de volta

Na manhã de domingo (20), por volta das 10 horas, a Polícia Civil elucidou mais um sequestro, resultando em final feliz com a libertação de duas reféns e prisão em flagrante do sequestrador em Conceição do Araguaia.

Na noite de sábado (19) por volta das 19:30 uma mulher "V. S."  foi vítima de sequestro quando entrava em seu veículo, em Redenção, logo após a mesma sair do consultório odontológico onde realizara tratamento. "V.S." é servidora estadual e trabalha no Fórum da Comarca de Redenção, sendo pessoa bastante conhecida e querida na sociedade local.

Wallas Pereira de Abreu, armado com uma faca, entrou no veículo da vítima, e sob ameaça, tomou-lhe como refém, assumindo a direção do veículo e tomando rumo ignorado.

Ocorre que o sequestrador possuía uma relação amorosa conturbada com uma mulher M. S., com quem conviveu por cerca de 08 meses, mas há alguns dias havia rompido a relação. Amigos e familiares de M. S. relataram à Polícia que após o término da relação, Wallas Pereira teria rasgado várias fotografias de M. S., inclusive recortando os "olhos" da mesma nas fotografias, em nítida demonstração de desequilíbrio emocional.

Após raptar "V. S.", o sequestrador não se contentou em apenas tomar-lhe o veículo, mas também obrigou a vítima a ligar de seu próprio telefone celular para sua ex-companheira, "M.S.", a qual trabalha num salão de beleza, obrigando-a a fingir uma solicitação de serviços de estética, tudo com o fim de descobrir onde a ex-companheira estava.

Assim, após descobrir que sua ex-companheira estava no salão de beleza trabalhando, Wallas foi até o local, já com a "V.S." em seu poder e usando o carro desta, e lá também sequestrou "M.S.".

Por volta das 19:50, Wallas foi visto saindo do local, no carro da primeira vítima, levando consigo as duas mulheres sequestradas.

A partir teve início Operação Policial, com o intuito de localizar e prender o sequestrador, bem como resgatar as reféns.

Com a coordenação do Delegado Lúcio Flavio FIlho, Diretor do Núcleo de Apoio à Investigação - NAI/Sul, órgão vinculado ao Núcleo de Inteligência Policial - NIP da PC/PA,  durante toda a noite e madrugada foram realizadas diligências no sentido de localizar o criminoso, tendo a operação policial contado com o apoio da Delegada Gláucia Cristo (Redenção), Delegado Gabriel Henrique (Conceição do Araguaia) e Major Daniel (Redenção), bem como dezenas de policiais civis e militares, familiares e amigos das vítimas.

Após investigações realizadas por toda madrugada, a Polícia Civil descobriu que o autor do sequestro era Wallas Pereira, e que o mesmo desejava levar à força sua ex-companheira "M.S." para a cidade de Gurupi (TO), valendo-se, para tanto, do veículo tomado da vítima "V.S." e desta própria como "escudo humano".

As duas mulheres passaram toda a noite e madrugada de terror dentro do carro com seu algoz sequestrador, o qual as levou por estradas vicinais de Redenção até Conceição do Araguaia.

Por volta das 8:50 de domingo (20), de posse de informações sobre o paradeiro do criminoso e suas reféns, uma equipe de policiais civis conseguiu localizar o sequestrador em Conceição do Araguaia, abordando-o, prendendo-o em flagrante quando o mesmo ainda mantinha as duas mulheres como reféns.

As vítimas foram liberadas, sem maiores traumas ou violências, exceto o trauma psicológico e a tortura mental sofrida durante toda a noite e madrugada.

Preso em flagrante, Wallas confessou o crime e relatou que teria feito aquilo por amor, por não aceitar ser abandonado pela companheira "M.S." e que pretendia levá-la à força para morar com ele no Tocantins e em seguida abandonar a refém "V.S." de quem ele apenas queria o carro para usar na empreitada criminosa.

O Delegado Lúcio Flávio Filho disse que "o crime praticado é horrendo e eu não consigo imaginar o terror que essas duas mulheres sofreram nas mãos desse elemento. Ele deve ser julgado com o rigor que a Lei impõe, para que sinta a força punitiva do Estado e nunca mais pense em praticar barbaridade semelhante".

O Delegado Lúcio Flávio Filho fez questão de destacar a importância do trabalho integrado com várias forças policiais, o que possibilitou o sucesso da missão, bem como a efetiva e célere atuação do Poder Judiciário local. (Polícia Civil)