INFORMAÇÕES

NOTÍCIAS DO SUL DO PARÁ, TOCANTINS, MATO GROSSO E MARANHÃO

sexta-feira, 1 de março de 2013

Empresa inglesa investirá 1 bilhão de dólares em jazida de níquel entre Redenção e Conceição


Uma extraordinária informação para Redenção e região. Um mega projeto para exploração de níquel nos assentamentos Jacutinga, Lote oito e Pequizeiro, localizados entre os municípios de Conceição e Redenção pode ter um investimento bilionário até 2017. A concretização do projeto pode dar uma impulsionada na economia da região a exemplo do que aconteceu em Ourilândia do Norte com a Onça Puma e Vale. A informação vem de veículos nacionais e traz detalhes do projeto que está sendo desenvolvido de forma discreta por pesquisadores.

O principal projeto da companhia é a mina de níquel de Araguaia, a 25 quilômetros da estrada que liga os municípios de Conceição de Araguaia e Redenção. Até hoje, os aportes somam US$ 30 milhões, e outros US$ 10 milhões estão previstos para este ano, para a conclusão de estudos de viabilidade. Mas o total dos investimentos poderá ultrapassar o US$ 1 bilhão nos próximos anos.

Em janeiro, a companhia fez 81 perfurações  (no total, o projeto é dividido em 15 blocos), somando 2.653 metros, de uma meta de 7.000 metros. Com as buscas, encontrou 23,2 metros com minério com teor de níquel de 2,09%, 9,1 metros com 1,73% e 14,1 metros com 1,62%, índices superiores à média do projeto, de 1,3%. “Neste ano terminaremos os estudos de viabilidade operacional. Em 2014 começaremos os de viabilidade financeira”, diz Jeremy Martin, presidente da HM. Até lá, o executivo, que vive em Londres, fará diversas viagens ao Brasil em busca de um investidor.

A expectativa de Martin é dar início às obras logo após a conclusão dos estudos, no fim do ano que vem. A inglesa Horizonte Minerals, listada nas bolsas de Londres e Toronto, quer se tornar uma das maiores empresas globais de recursos minerais. A expectativa de Martin é dar início às obras logo após a conclusão dos estudos, no fim do ano que vem. Ele diz que é cedo para estimar o total de capital necessário, mas para efeito de comparação, o projeto Onça Puma, da Vale, teve investimentos de US$ 2,8 bilhões, segundo a mineradora.

Onça Puma foi construído para 55 mil toneladas anuais de níquel contido, três vezes mais do que as 18 mil toneladas de níquel contido em ligas de ferroníquel que a Horizonte estima produzir ao ano. Já o projeto Barro Alto, da Anglo American, custou US$ 1,9 bilhão, para 36 mil toneladas ao ano.

Entre os argumentos de Martin para atrair parceiros está o tamanho da reserva do Araguaia, estimada em 102 milhões de toneladas de minério de níquel. O volume colocará a empresa entre as maiores do Brasil, com cerca de 12% do minério disponível no país, segundo o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM).

 “Quando conversamos com investidores, todos querem saber o que vai acontecer, mas na questão de royalties ainda não sabemos.” O níquel não é a única aposta da Horizonte, que por enquanto só atua em solo brasileiro.

A região onde estão sendo feita as pesquisas, fica mais precisamente entre três municípios, Redenção, Conceição e Floresta do Araguaia. Segundo o engenheiro agrônomo, Vitor Silva Barbosa, que conhece bem a região da Jacutinga e Lote oito, existe em torno de 500 famílias assentadas. Ele diz que a comunidade pouco sabe sobre os detalhes do projeto. Os funcionários que fazem os trabalhos de pesquisa se limitam apenas em dizer que a região é promissora e que tem tudo para dar certo.

Fonte das informações:  (Valor Econômico - Matéria publicada no Nosso Jornal, edição de quinta-feira (28/02)