INFORMAÇÕES

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Redenção: Médica se recusa atender pacientes, desacata militar do corpo de Bombeiros e caso vai parar na delegacia

Bombeiro exibe BO contra médica
No domingo (8), por volta das 14h30min, uma guarnição do Corpo de Bombeiros foi acionada para atender um caso de intoxicação alimentar, no qual quatro pessoas teriam sido vítimas depois de terem ingerido um queijo contaminado.

Ao chegarem à residência, localizada na Rua do Mogno, próximo ao antigo CTG, a equipe do Corpo de Bombeiros examinou as vítimas e chegaram à conclusão que o quadro era grave. De imediato, quebrando o protocolo o sargento Cortez, decidiu encaminhar as quatro pessoas da mesma família - uma mulher adulta e seus três filhos menores -, para uma unidade de saúde mais próxima para receberem os primeiros atendimentos. Ao darem entrada no hospital municipal Iraci Araújo, a guarnição e as vítimas foram recebidas pelos enfermeiros, que imediatamente começaram os procedimentos necessários enquanto aguardavam o atendimento médico.

A surpresa da guarnição foi quando a médica que estava de plantão conhecida como doutora “Esperança”, disse que não iria atender as crianças por que no hospital Iraci, não atende menores de doze anos.

A partir desse momento começou uma discussão entre o sargento que comandava a guarnição e a médica de plantão, que proferiu palavras de baixo calão como “soldadinho”, entre outras ofensas.

“O protocolo diz que em caso de emergência o atendimento tem que ser realizado pela unidade de saúde mais próxima que no caso é o Iraci” afirmava o sargento durante a discussão.
A médica “Esperança” não atendeu as crianças que foram levadas para o Hospital Materno Infantil onde foram medicadas e passam bem.

A guarnição, após salvar a vida das vítimas, registrou um Boletim de Ocorrência (BO) na delegacia de Polícia Civil contra a médica por desacato e omissão de socorro. (Redenção 190)