INFORMAÇÕES

Envie informações para o blog. WhatsApp 99193 6270 ou e-mail: otavioaraujo19@hotmail.com. Otávio Araújo é correspondente da Rádio Clube do Pará para o sul do Pará.

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Mundo: França executa novo ataque aéreo sobre Raqa, reduto do EI na Síria

Bombardeio destruiu um centro de comando e outro de treinamento, anunciou o ministério francês da Defesa.
Avião pronto para decolar na base aérea francesa

PARIS - Aviões de combate franceses realizaram na noite de segunda-feira e na madrugada desta terça-feira (horário local) novos ataques na Síria, destruindo os centros de comando e recrutamento de extremistas em Raqqa, reduto do Estado Islâmico, informou o ministério da Defesa da França.

A ofensiva, iniciada às 22h30m de segunda-feira (horário de Brasília), foi integrada por 10 caças - Rafale e Mirage 2000 - que partiram dos Emirados Árabes Unidos e da Jordânia, que lançaram 16 bombas, uma missão semelhante à de domingo à noite.

"O exército francês conduziu pela segunda vez em 24 horas um ataque aéreo contra o Estado Islâmico em Raqqa, na Síria", afirma o ministério em um comunicado.

"Ambos objetivos foram alcançados e destruídos simultaneamente. O ataque, que aconteceu em coordenação com as forças americanas, teve como alvos locais identificados durante missões de reconhecimento realizadas anteriormente pela França", acrescenta o comunicado.

França pede ajuda militar a sócios da União Europeia em ações no exterior
Ministro da Defesa pediu participação maior de países. Bloco expressou apoio unânime ao pedido.
A França pediu nesta terça-feira (17) ao sócios da União Europeia (UE) "ajuda" na luta contra o grupo Estado Islâmico (EI) no Iraque e na Síria, assim como uma "participação militar maior" nas operações do país no exterior, fundamentalmente na África. O pedido ocorre após os atentados terroristas reivindicados pelo EI que deixaram 129 mortos em Paris.
A UE expressou um apoio "unânime" ao pedido de ajuda militar, indicou a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini.

(O Globo)