INFORMAÇÕES

Envie informações para o blog. WhatsApp 99193 6270 ou e-mail: otavioaraujo19@hotmail.com. Otávio Araújo é correspondente da Rádio Clube do Pará para o sul do Pará.

terça-feira, 8 de março de 2016

TO: Nos últimos 2 anos, 77 mulheres foram assassinadas

Desse total, 37 mortes nunca foram esclarecidas e famílias pedem resposta. Relembre os casos que chocaram o estado.

No Tocantins, nos últimos dois anos, 77 mulheres foram assassinadas segundo a Secretaria de Segurança Pública do estado. Desse total, 37 mortes nunca foram esclarecidas pela polícia e as famílias das vítimas cobram uma resposta.

Relembre alguns casos

Heidy
Professora Heidy, morta de forma brutal
A foto da professora Heidy Aires Moreira, de 34 anos, está estampada na camiseta de amigos e parentes. Ela foi morta de forma brutal, dentro de casa, em Palmas. Um ano já se passou desde que o crime aconteceu, mas o caso ainda não foi concluído.

"Já tem um ano e dois meses. O exame já deveria ter saído, mas até agora nada. Não temos respostas do que está acontecendo. Estamos aguardando", cobra o irmão da professora, Paulo Oliveira.

Ana Lucia
Ana Lúcia morta na frente dos filhos

Assim como a professora Heidy, a vendedora Ana Lucia, de 23 anos, foi morta dentro de casa, na capital, em outubro do ano passado. Ela foi esfaqueada na frente do filho de três anos.
O companheiro dela, Cleones da Silva Santos, ficou quatro meses foragido. Ele foi preso no dia 12 de fevereiro, em Pernambuco. O homem tinha mudado a cor dos cabelos e usava outro nome. O suspeito está na Casa de Prisão Provisória de Palmas.



Irene
Vizinhos derrubaram a casa

No bairro Jardim Aureny III, em Palmas, existe uma lembrança que os moradores não gostariam de ter. Há oito meses, a auxiliar de serviços gerais, Irene Barroso, de 40 anos, foi atacada por um homem desconhecido, às 15h, quando voltava do trabalho.
O criminoso arrastou Irene para um lote baldio, a estuprou e a matou. No local havia uma casa abandonada, que foi derrubada pelos vizinhos.
Quem mora na região não gosta de tocar no assunto. Revoltadas, moradoras até quebraram parte da construção onde o crime ocorreu. O homem que matou Irene, nunca foi localizado.
(G1/TO)