INFORMAÇÕES

Envie informações para o blog. WhatsApp 99193 6270 ou e-mail: otavioaraujo19@hotmail.com. Otávio Araújo é correspondente da Rádio Clube do Pará para o sul do Pará.

quinta-feira, 28 de julho de 2016

EDITORIAL: Violência infantil cresce


Prof. Otávio Araújo
A estatística é preocupante com relação ao número de crianças e adolescentes envolvidas em diversos crimes, além de se tornarem usuárias de droga. Eu não percebo a ação do poder público para frear essa descida de nossas crianças e adolescente rumo a um abismo infinito e sem volta.

Essa semana li uma matéria no G1/TO, sobre “Cresce o número de crianças e adolescentes apreendidas no Estado do Tocantins”. Segundo a reportagem só “No primeiro semestre de 2016 foram mais de 430 apreensões. Houve um aumento de 26% em relação ao mesmo período de 2015”.

Essa situação ocorre em todo o país. Os olhos das autoridades sempre estão voltados para grandes eventos, num desespero de mostrar ao mundo que o Brasil é um país somente das praias do Rio de Janeiro, futebol e carnaval. A verdade é outra. As novas gerações estão se afundando na criminalidade e pouco é feito para impedir.

São diversos crimes, desde os de menor potencial ofensivo até os que envolvem violência ou grave ameaça. Alguns são reincidentes.

O governo comemora a construção de mais um presídio, mas as escolas – principalmente as estaduais – estão sem as mínimas condições de preparar os jovens para as universidades. Em alguns municípios, quando o gestor é responsável, a educação fundamental funciona bem, mas mesmo assim, as escolas ainda necessitam de melhor infraestrutura.

Em alguns países, quando a violência entre os adolescentes e jovens está alta, o governo investe maciçamente no esporte e o resultado sempre é excelente.

Um simples campinho de terra batida pode ser um detalhe importante para tirar os adolescentes e jovens da criminalidade. Mas, na maioria das cidades não há mais espaço para se praticar futebol, foram ocupados por construções públicas.

É importante que os pais fiquem atentos para as propostas dos candidatos nessa campanha política, pois o futuro de seus filhos está nas mãos dos eleitos por longos quatro anos. A decisão é sua.