INFORMAÇÕES

Envie informações para o blog. WhatsApp 99193 6270 ou e-mail: otavioaraujo19@hotmail.com. Otávio Araújo é correspondente da Rádio Clube do Pará para o sul do Pará.

segunda-feira, 29 de maio de 2017

CASO FAZENDA SANTA LÚCIA: Um sobrevivente está internado no Regional e é a única testemunha

Familiares das vítimas e dois sobreviventes também já foram ouvidos, um deles segue sob proteção da Polícia Federal. Ele é considerado a única testemunha do caso por enquanto. Ele não corre risco de morte, mas permanece em observação.

Vários comerciantes prometeram fechar as portas das lojas por 2 horas na manhã desta segunda-feira em apoio aos policiais militares e civis que participaram da ação para prender invasores de terra na fazenda Santa Lúcia, no município de Pau D`Arco. Uma comissão de deputados federais e estaduais, além de outras autoridades está em Redenção para apoiar os policiais militares e civis.

O Ministério da Justiça informou que uma equipe da Polícia Federal vai acompanhar as investigações da mortes.

Nove homens e uma mulher morreram na ação policial ocorrida na quarta-feira (24). A Secretaria de Segurança Pública (Segup) disse que os policiais foram recebidos à bala quando tentavam cumprir 16 mandados de prisão contra suspeitos do assassinato de um vigilante da fazenda, no fim de abril. Parentes de vítimas da chacina contestam a versão dos órgãos de segurança do Estado.

No sábado (27), peritos do Instituto de Criminalística do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves (CPC) deram sequência ao trabalho de perícia no local do crime.

Um policial militar e um delegado da polícia civil foram ouvidos na sexta-feira pelo Ministério Público do Estado do Pará, mas o conteúdo dos depoimentos não foi divulgado. 
De acordo com a Segup, 29 policiais, sendo 21 militares e oito civis, já estão sendo afastados das atividades rotineiras.

A fazenda Santa Lúcia é alvo de disputa de terras. O local foi invadido três vezes desde 2015. Em abril, o proprietário conseguiu a reintegração de posse, e contratou seguranças para vigiar o local. Segundo o advogado das vítimas, os trabalhadores rurais já haviam informado ao Incra, à Ouvidoria Agrária e ao Tribunal de Justiça do Pará sobre as tensões na região.